textos

barra_mercantel_594x55mm_75dpi_1

Embarcação como artefacto

Um objecto é uma coisa material ou determinada, é tudo aquilo de que o homem se pode ocupar e ao qual vai dirigida uma acção ou um sentimento.
Um artefacto é entendido como um objecto feito pela mão do homem, que fornece informação sobre a cultura do seu criador e usuário. Ele pode sofrer mutações ao longo do tempo, assim como a classificação que lhe é dada pode alterar com o tempo. Os objectos criados pelo homem na sociedade moderna também são considerados artefactos culturais.
Uma embarcação, ou barco, é um artefacto construído pelo homem. Para tal são utilizados os mais diversos materiais. A construção envolve vários princípios da física e da geometria e tem como objectivo final o de flutuar, ou seja, navegar no mar, rios e lago/a, independente do tamanho, da forma ou do sistema de propulsão. A função deste artefacto é o de transportar bens e pessoas e de facultar a prática de actividades de lazer, pesca.
As embarcações encontram-se entre as mais antigas e importantes criações tecnológicas do homem. Este soube aproveitar os materiais existentes nas regiões onde habitava, trabalhando-os e moldando-os às suas necessidades. Da diversidade de materiais e tecnologias resultaram vários tipos de embarcações, dependendo de cada cultura ou região.
O estudo do objecto ou artefacto, neste caso concreto uma embarcação, pressupõe a análise de um discurso, por ele evocado enquanto representação, invenção ou re-invenção de uma cultura e região. Como refere Clara Sarmento numa das suas obras sobre o barco moliceiro, em relação a essa embarcação tão “sui generis” da região: “o processo através do qual os objectos adquirem capacidade de significação está relacionado com valores e condicionantes sócio-culturais que os transformam em veículos de afirmação de uma entidade regional.” O objecto/artefacto transmite informação, ele torna-se num veículo da comunicação. Se ele comunica através da sua imagem, ele “atravessa a (sua) opacidade inoportuna”, como refere Michel Foucault . Pode-se dizer que uma embarcação, produto da criação humana, é um artefacto cultural, pleno de significado, contêm aspectos etnográficaos, herança de uma época, de uma região e de um povo, ele faz parte de um processo cultural. Segundo Umberto Eco, os processos culturais são processos de comunicação, atravessados por uma multiplicidade de “subcódigos”.
Este artefacto comunica através da forma, da decoração, do processo construtivo, do material empregue, da função para a qual foi pensado, e também pela alteração dessa mesma função, resultado das mudanças tecnológicas, ambientais, naturais, económicas, e sociais.
No caso do moliceiro, este transmite várias informações sobre o seu passado, as origens, a sua lenta evolução, que apesar de ter sofrido poucas alterações estruturais, alterou drasticamente a sua função ou actividade – de apanha do moliço para passeios turísticos.
A construção destas embarcações/artefacto são determinadas pela época, pelas necessidades de um povo e de uma região. Estão, ainda, condicionadas aos materiais existentes na região, tecnologia, às ferramentas disponíveis e ainda aos seus criadores.
No acto produtivo destes artefactos a criatividade tem sido sempre crucial, tanto na resolução de problemas tecnológicos como de navegabilidade, ou ainda de natureza funcional. Através da criatividade podem encontrar-se soluções inovadoras. Como refere John Hawkes , a noção de criatividade já não se atribui somente às artes, ela deve ser aplicada à resolução de problemas do ser humano. ” A inovação, criatividade, pensamento, introspecção, intuição e imaginação são meios que descrevem o processo de invenção de novos padrões (…)”

Etelvina Almeida

Responses

  1. Não acho o MOLICEIRO um ARTEFACTO… Para mim o artefacto não tem aquele volume perto de uma barca ou uma caravela das descobertas… Tambem não se chama artefactos a ruinas ou restos de um naufragio, pois elas são PATRIMONIO e os artefactos encontram-se dentro ou em redor… Falando do moliceiro, como já referi algumas vezes, ele é uma embarcação nova adaptada a um periodo de evolução da Ria de Aveiro… Os os povos da Ria acompanharam a evolução desta e criaram as BARCAS por necessidade e o moliceiro é uma das ultimas…. As primeiras??????…. Talvez as de UR…


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: